quinta-feira, 6 de março de 2008

A beira do Abismo



De que me importa a vida

Se de viver morrerei...


De que me importa a vida

De hoje em diante

Não verei, mas, um suicida

Como pura loucura pulsante


No submundo do subconsciente

Existem hipócritas, que te alucinam

Corrompem sua mente

A se drogar, te ensinam


Será mesmo sua mente?

Será que não é a corrupção?

Um fantasma persistente?

E para mal te da a mão?


Como pensar no amanhã

Se hoje não posso viver

A mãe que de um filho apanha

Esta acostumada a perecer


Apodrecer

Aos poucos, falecer

Não à viver, não para perder

Não para se corromper

Maria quer morrer!


Mulata sem dinheiro

Senhora sem sorte

De janeiro á janeiro

Firme no seu corte


Cana boa, cana doce

A quem degusta

Quem dera se assim fosse

O real trabalho, se ofusca


Estamos rindo a toa

Do sofrimento e solidão

De certa pessoa

Mesma ajuda em vão


Viramos o rosto

Para nossa própria sociedade

Como me sinto tosco

De não agir com humildade


É assim nossa vida

Será pessoa amiga

A quem podemos confiar


Para não sermos mais um suicida

Dos abutres a comida

E dos noticiários mais um jantar...


Autor: Sérgio Farias

7 comentários:

HenriqueM disse...

Raramente eu leio um poema longo que me agrada. Este foi um deles.
Todos os aspectos de uma sociedade que caminha para a perdição. Haverá algum remédio para isso?

Camila Libanori disse...

Realmente muito bom o poema, mesmo sendo longo ele é ritmado e e não cansa de ler!!!
Muito BoM!
bjO!

Abel disse...

Temos mesmo um mundo fantasmatico que pode nos aprisionar num gozo ruim, repetitivo e auto-destrutivo...

Talvez seja só à margem do que conhecemos que podemos transcender aquilo que sabemos para mudar, e só nessa ruptura é que temos de volta a liberdade que o desejo proporciona, de buscar um prazer e não ser aprisionado por ele.

Abçs,
Abel

Jéssica V. Amâncio disse...

a.d.o.r.e.i
do meio pro final vai ficando mais emocionante
=]

jlou disse...

Hoje.... todo motivo de desgraça se tornou banal...

Obrigada pela visita!

Tava meio sumida, mas voltei!

Abraçoooooo

www.jlouthings.blogspot.com

Daniel Augusto disse...

muito bom!

variação profusa de redodilhas com suas tonicas muito bonitinhas em seus lugares dando ótima musicalidade...

e o melhor com certeza é o tema arrojado e atual...

expressão cultural do q realmente é nosso país, próximo de um caminho ilusoriamente longiquo de nossa realidade urbana...

bye

http://www.causagendi.blogspot.com/

Marta Ribeiro disse...

?*´¨`*?.¸¸.?*´¨`*?.¸¸.?*´¨`*?.¸¸.??*´¨`*?.¸¸.?*´¨`*?.¸¸.?*´¨`*?.¸¸.?
Vim aqui espreitar o teu blog e gostei bastante..passarei com mais calma...
?*´¨`*?.¸¸.?*´¨`*?.¸¸.?*´¨`*?.¸¸.??*´¨`*?.¸¸.?*´¨`*?.¸¸.?*´¨`*?.¸¸.?